A Total aposta no gás natural para satisfazer as crescentes necessidades de energia.

A população mundial aumenta e a necessidade de energia é cada vez mais importante. Para a satisfazer é necessário uma energia acessível e em abundância. A Total acrescenta a esta realidade o desafio da redução da emissão de gás com efeito de estufa, desafio com o qual o Grupo está empenhado há mais de 10 anos e tem dado resposta a esta problemática, em particular com o reforço do desenvolvimento do gás natural - a energia fóssil mais limpa. Em 2015, a Total produziu quase tanto gás (47%) como petróleo (53%)1. O nosso objectivo: um mix de hidrocarbonetos com mais de 60% de gás em 20 anos.

  • cental_prrof_gaz_1_PT_AO

    Fábrica de liquefacção de QatarGas na Cidade Industrial Ras Laffan no Catar.

  • cental_prrof_gaz_2_PT_AO

    Entrega de GNL transportado pelo navio metaneiro Arwa Spirit até a um terminal de regaseificação no Japão.

  • cental_prrof_gaz_3_PT_AO

    Marinheiros no navio metaneiro Arwa Spirit transportando GNL.

  • cental_prrof_gaz_4_PT_AO

    Armazenamento de GNL no Japão. À chegada o gás é armazenado em depósitos em forma líquida antes de ser regaseificado e depois enviado para as redes de transporte e distribuição de gás natural.

  • cental_prrof_gaz_5_PT_AO

    Entrega de material a Sabetta no rio Ob para o projecto Yamal GNL na Rússia.

  • cental_prrof_gaz_6_PT_AO

    Kurt, geofísico. Total Austrália. Perth, Austrália.

  • cental_prrof_gaz_7_PT_AO

    Darwin, Austrália - Construção da instalação GNL de Blaydin Point para o projecto Ichthys GNL, Janeiro de 2015.

  • cental_prrof_gaz_8_PT_AO

    Construção da Unidade Flutuante de Produção e Armazenamento (FPSO) para o projecto Ichthys GNL. Novembro de 2014.

  • cental_prrof_gaz_9_PT_AO

    O primeiro poço de desenvolvimento Ichthys GNL foi perfurado em Fevereiro de 2015.

  • cental_prrof_gaz_11_PT_AO

    "Espero que o Congresso Mundial do Gás 2015 marque um ponto de viragem na tomada de consciência do papel do gás na luta contra as alterações climáticas" P. Pouyanné, Congresso Mundial do Gás, Paris, 2 de Junho de 2015.

Seguinte Prev
  • cental_prrof_gaz_1_PT_AO
  • cental_prrof_gaz_2_PT_AO
  • cental_prrof_gaz_3_PT_AO
  • cental_prrof_gaz_4_PT_AO
  • cental_prrof_gaz_5_PT_AO
  • cental_prrof_gaz_6_PT_AO
  • cental_prrof_gaz_7_PT_AO
  • cental_prrof_gaz_8_PT_AO
  • cental_prrof_gaz_9_PT_AO
  • cental_prrof_gaz_11_PT_AO

Gás natural, a energia fóssil menos poluente das energias fósseis

O carvão ainda é muito utilizado; representa cerca de 30% do consumo de energia no mundo. Mas está longe de ser uma energia limpa: a sua combustão é responsável por 44% da emissão de CO2 a nível mundial. A Total vê o gás natural como uma alternativa eficaz. Na verdade, este recurso é abundante e permite múltiplas utilizações. O gás natural tem, sobretudo, a vantagem de emitir duas vezes menos CO22 do que o carvão na produção de electricidade.
Estamos totalmente empenhados em fornecer uma energia melhor, aumentamos progressivamente a parte do gás natural na combinação energética do Grupo durante 10 anos.

Total, um actor fundamental do GNL

Em 2015, o gás representava 47% da nossa produção de hidrocarbonetos, contra  33% em 2005. A Total está presente desde a produção do gás natural até à sua comercialização, passando pelo transporte, a negociação e a produção de electricidade nas centrais de gás. 
O gás natural pode ser liquefeito, o que lhe confere um trunfo suplementar: o de ser facilmente transportável, de barco, a longas distâncias. A Total aposta no GNL (Gás Natural Liquefeito) para fornecer energia em grandes quantidades. Pioneiro neste sector, o Grupo é hoje um dos seus actores principais. A Total investiu em toda a cadeia do GNL, desde a extracção do gás natural, em terra ou no mar, o seu aprovisionamento para as fábricas de tratamento, onde é liquefeito e armazenado, ao transporte do GNL graças aos navios especializados – os navios-tanque – em direcção aos terminais de regaseificação, até à entrega final do gás natural aos clientes industriais e comerciais. 
Estimamos que até 2030, o crescimento anual do mercado mundial de gás seja de, aproximadamente, 2% e do GNL de 4%, enquanto o crescimento do mercado mundial do petróleo terá um valor pouco superior a 0,5%. Mas, insiste Laurent Vivier, Director do Gás da Total, “atenção às disparidades geográficas: os mercados regionais têm dinâmicas diferentes.3
 

Inovar para tornar o GNL ainda mais acessível

As Mulheres e os Homens da Total perseguem um objectivo que fixaram em 2007: duplicar as vendas de GNL do Grupo até 2020. Para esse efeito, as equipas implementaram uma estratégia ambiciosa, como o ilustram os projectos Yamal GNL na Rússia e Ichthys GNL na Austrália, ambos actualmente em desenvolvimento:

  • A fábrica de Yamal GNL está situada em terra, mas no estuário do Ob que gela nove meses por ano. O desenvolvimento do projecto é acompanhado por um sistema completo e inovador de gestão para ter em consideração o gelo para permitir o transporte marítimo do GNL. Por este motivo, foi especialmente concebida uma frota de 15 navios-tanque quebra-gelo para este projecto. 
  • Para garantir os seus levantamentos de GNL provenientes da Austrália, dos Estados Unidos ou de outras origens, a Total constitui a sua própria frota com a construção de dois navios-tanque. Estes navios, que serão entregues em 2017, permitirão levar uma energia mais adequada e segura aos países consumidores, recorrendo a um modo de transporte que respeita o ambiente. Assim, uma pequena parte do GNL transportado pelos navios-tanque alimentará os motores, optimizando assim as operações de transporte e reduzindo bastante as emissões de CO2 no aprovisionamento do GNL para as rotas marítimas. 

 

Produção de hidrocarbonetos (kb/d): 2.347 em 2015
Líquidos (kb/d): 1.237 em 2015
Gás (Mpc/d): 6.054 em 2015

IAE, “emissões de CO2 a partir da combustão de combustível na edição de 2015”

“Informações sobre Petróleo e Gás”, 25/11/15

Partilhe este projecto