Utilizamos cookies para personalizar conteúdo, analisar o nosso tráfego e recursos de redes sociais. Também partilhamos as informações sobre o seu uso no nosso site com os nossos parceiros de redes sociais e de dados analíticos que podem combiná-las com outras informações que lhes fornecer ou que sejam recolhidas através do uso que faz dos seus serviços.
Aceitar tudo
Personalizar
Please check an answer for every question.
We use cookies to personalise content, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use on our site with our socal media and analytics partners who may combine it with other information that you've provided to them or that they've collected from your use of their services.

Carlos

Carlos, 30 anos de carreira cheios de boas energias

A excelência é o principal alicerce do sucesso

Carlos é SPS Deputy Manager[1] do projecto Kaombo, no Bloco 32.

Ao fim de quase 30 anos de carreira continua a acreditar que o sucesso de qualquer sector de actividade resulta da energia humana que cada um de nós deposita nos desafios que o quotidiano nos apresenta. Hoje, a procura de energia mundial exigiu a utilização de energias alternativas e orgulha-se que Angola comece a dar os primeiros passos na implementação de projectos de energia solar fotovoltaica.

Uma carreira é uma viagem

Para Carlos, o segredo para o sucesso profissional é a energia investida em cada tarefa e/ou responsabilidade. Segundo este engenheiro, é imperativo aplicar todas as energias no que se compromete cumprir, debitar neste objectivo todo o saber, dedicação, empenho, persistência e audácia, e fazê-lo com respeito, humildade, capacidade de adaptação, tolerância e acima de tudo escuta.

Começou os estudos em Angola, mas rapidamente se destacou e foi seleccionado para estudar no IFP[2], em França. Nos anos seguintes passou pelo Reino Unido e mais recentemente, já como colaborador da Total, a petrolífera encaminhou-o para Oslo, na Noruega e para Pau em França como SPS Deputy Manager. Esta temporada de aprendizagem deu-lhe as ferramentas necessárias para desempenhar melhor as suas funções actuais e partilhar com os seus colegas o know-how adquirido durante esta experiência.  Hoje, o Carlos desempenha o cargo de SPS Deputy Manager e é responsável pelos estaleiros e horas de trabalho de Conteúdo Local do projecto Kaombo, no Bloco 32. Tem um percurso profissional notável porque passa os seus dias a produzir energia: a ensinar e sobretudo a aprender.

A energia do futuro

Carlos orgulha-se de trabalhar há quase 30 anos na Total, empresa que hoje é uma das líderes em pesquisa e implementação de energias alternativas, nomeadamente energia solar fotovoltaica na sua participação com a SunPower[3].

Para ele, engenheiro de formação, a descoberta de soluções que melhorem a qualidade de vida do Homem de hoje e antevejam a das gerações vindouras, conseguindo em paralelo minimizar o impacto ambiental, são a combinação perfeita. Garantir que se mantém a resposta energética a médio-longo prazo, promovendo a criação de empregos, aumentando a qualidade das condições de vida sociais e humanas, mantendo a continuidade da pesquisa e a busca de resultados que beneficiem todos os intervenientes num sistema de funcionamento sustentável do planeta Terra são mais-valias para todos. As energias alternativas apresentam-se como a resposta para as necessidades energéticas mundiais e beneficiam países com dificuldades em garantir o acesso à energia para todas as populações.

Em Angola o sol brilha para criar energia

Quando se fala na utilização de energia solar em Angola, Carlos sorri com satisfação, dado que este é o tipo de ideia que tem futuro no seu País de origem.

Orgulha-se do facto da sua Nação acompanhar as novas tecnologias em favor dos seus cidadãos, do desenvolvimento tecnológico e da protecção do Ambiente. A ideia começa a dar os primeiros passos em Angola, e é de louvar que a Total e a Sonangol sejam pioneiras na implementação de projectos deste género no País – projecto AWANGO BY TOTAL[4]. Segundo ele, numa sociedade cujos rendimentos dependem em grande parte da produção e comercialização de petróleo, a opção da energia solar tem tudo para ser vantajosa, mais ainda numa região soalheira, com temperaturas entre os 20 e os 30°, com períodos muito curtos de chuvas e de tempo nublado. Para Angola estas soluções apresentam-se mais acessíveis, mais eficazes e mais sustentáveis porque facilitam e aceleram o seu desenvolvimento e crescimento económico, social, académico, entre outros.

 


[1] SPS = Subsea Production Systems; SPS Deputy Manager = Responsável Adjunto de Sistemas de Produção Submarinos

[2] IFP = Institut Français du Pétrole (Instituto Francês de Petróleo)

[3] Saiba mais sobra a parceira Total e Sunpower aqui >>>

[4]  Saiba mais sobra o projecto AWANGO BY TOTAL aqui >>>

 

angola_carlos_pt_total.jpg

“Uma carreira de sucesso não se traduz forçosamente no alcance fácil e rápido de um cargo de chefia, mas sim na confirmação quotidiana da sua competência, em cada tarefa executada"

Curriculum Vitae

 

2008 – Até à data

SPS Deputy Manager, projecto Kaombo; Engenharia de Segurança e de ITV – Total in Angola

 

2005 – 2008

Director Adjunto HOOK-UP comissionamento, Bloco 18, (Start Up Topsides pelo Projecto FPSO Greater Plutonio) – BP

 

1984 – 1997

Chefe de Projecto: encerramentos, substituições, revamping; OIM Adjunto Refinaria; Sénior Operações CCR; Superintendente

 

1989 – 2002

Formação: Instituto de Petróleo do Sumbe – Angola; IFP (Institut Français du Pétrole) Operações de Refinaria – França

 

1989 – 2002

Engenharia Processos Químicos & Química aplicada pela Universidade Aston, Birmingham – Reino Unido; Faculdade das Ciências de Angola, Universidade Agostinho Neto – Angola