Utilizamos cookies para personalizar conteúdo, analisar o nosso tráfego e recursos de redes sociais. Também partilhamos as informações sobre o seu uso no nosso site com os nossos parceiros de redes sociais e de dados analíticos que podem combiná-las com outras informações que lhes fornecer ou que sejam recolhidas através do uso que faz dos seus serviços.
Aceitar tudo
Personalizar
Please check an answer for every question.
We use cookies to personalise content, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use on our site with our socal media and analytics partners who may combine it with other information that you've provided to them or that they've collected from your use of their services.

STARTUPPER DO ANO DA TOTAL, uma oportunidade para a juventude angolana

STARTUPPER DO ANO DA TOTAL é um concurso que se dirige apenas ao continente africano.

Numa fase em que África cultiva o empenho no seu desenvolvimento económico e social, a Total, a mais africana das principais petrolíferas cria mais oportunidades para as gerações vindouras.

STARTUPPER DO ANO DA TOTAL

O grupo Total organiza pela primeira vez o desafio STARTUPPER DO ANO DA TOTAL[1]. Trata-se de um concurso realizado em simultâneo em 34 filiais do Grupo em África. A realização de um concurso deste género dirigido para África comprova a presença forte e duradoura do Grupo no continente.

O desafio STARTUPPER DO ANO DA TOTAL inscreve-se no quadro da política da Total de apoio ao desenvolvimento socioeconómico dos Países onde está implantado. Pretende-se que contribua para o reforço do tecido industrial e para a criação de emprego através do apoio dado aos empresários mais audaciosos e mais inovadores, na realização dos seus projectos. Este empreendimento visa fazer emergir novas iniciativas, dentro do respeito dos valores do Grupo Total.

Nesta fase, ao crescimento pelo qual Angola e demais Países africanos estão a passar associam-se os mais diferentes desafios.

STARTUPPER DO ANO DA TOTAL visa reforçar as ferramentas, condições e capital humano à altura destes desafios acompanhando o esforço e empenho das Autoridades Locais, numa cooperação entre parceiros.

DÁ ENERGIA À TUA IDEIA

Em Angola o concurso foi lançado a 18 de Novembro de 2015 durante uma conferência de imprensa que decorreu em instalações da Total, em Luanda. Neste evento estiveram representantes de empresas e instituições angolanas: universidades, bancos, associações não governamentais e outros parceiros da petrolífera. Durante a conferência Jean-Michel Lavergne, Director Geral da Total E&P Angola apresentou o Patrono – Miguel Carneiro[2] e o corpo de Júri[3]3, presidido por Edson Veloso. A escolha foi feita, do primeiro, para promover e incentivar os jovens a participar, e dos segundos, para minuciosamente escolher os 3 melhores projectos STARTUPPER DA TOTAL 2016 de Angola.

STARTUPPER DO ANO DA TOTAL é dirigido exclusivamente a jovens até aos 35 anos ou a empresas startup com menos de 2 anos de existência. E visa identificar, premiar e acompanhar projectos que primem pela inovação, originalidade, audácia e com potencial de desenvolvimento da melhoria das condições de vida da população do País de origem.

Os projectos serão avaliados por um corpo de júris, um painel de especialistas dos mais diversos sectores de actividade: banca, finanças, indústria, serviços, educação, organizações públicas, semi-públicas e privadas, líderes de instituições/associações, bem como de reconhecidos peritos e analistas. Do corpo de júris fazem parte jovens empreendedores e especialistas experientes de áreas chave para o desenvolvimento do País.

 


[1] As candidaturas estão abertas até 31 de Janeiro de 2016 (23h00 GMT) em startupper.total.com.

[2] O Patrono – Miguel Carneiro – é um jovem audaz, ambicioso e dedicado que de entre inúmeras responsabilidades assume as funções de CEO do projecto Baía de Luanda.

[3]  O corpo de júri é presidido por Edson Veloso um jovem empresário do mercado angolano que se destaca pela sua perspicácia, tenacidade, visão estratégica e empreendedorismo, que no tempo livre dirige o FAGE (Fórum Angolano de Jovens Empreendedores).

 

OS NOSSOS PROJECTOS