Utilizamos cookies para personalizar conteúdo, analisar o nosso tráfego e recursos de redes sociais. Também partilhamos as informações sobre o seu uso no nosso site com os nossos parceiros de redes sociais e de dados analíticos que podem combiná-las com outras informações que lhes fornecer ou que sejam recolhidas através do uso que faz dos seus serviços.
Aceitar tudo
Personalizar
Please check an answer for every question.
We use cookies to personalise content, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use on our site with our socal media and analytics partners who may combine it with other information that you've provided to them or that they've collected from your use of their services.

A Total em Angola

angola_tic_1.jpg

A Total em Angola é uma das mais importantes filiais do grupo francês, 5º maior produtor de energia no mundo, instalado nos cinco continentes, com operações em mais de 130 países e cerca de 100.000 colaboradores. 

Pioneira e a maior produtora em Angola, a Total provou, durante todos estes anos, a sua perícia na indústria petrolífera local: Bloco 3, Bloco 17, com quatro grandes projectos; e Bloco 32, com início de produção previsto para este ano. Várias instituições de ensino tëm gerado talentos locais com o apoio da Total.

História da Total em Angola

No início dos anos 50, uma equipa de técnicos do grupo belga Petrofina fez a primeira descoberta comercial de petróleo em Angola, especificamente em Benfica, na bacia sedimentar do rio Kwanza, a sul de Luanda. Este foi o começo da indústria petrolífera em Angola.  Por volta dos anos 1952‐1953, a Total lançou a suas actividades na primeira concessão onshore, especificamente nas margens do rio Kwanza, quando recebeu a primeira concessão, no onshore e offshore angolanos – Bacia do Kwanza e Bacia do Baixo Congo. Hoje, passados mais de 60 anos, a Total em Angola está presente nas mais prolíficas zonas do país, e conta com cerca de 1.700 colaboradores. A combinação de perseverança, dedicação e empenho, quer tecnológico, quer em termos de recursos humanos conduziram-nos a sucesso após sucesso.

Passos sequentes: o offshore

A aquisição do Bloco 3 (1980) no offshore angolano foi o primeiro passo e, cerca de dez anos depois, entramos para as águas profundas do offshore (1992) – através do Bloco 17, onde temos actualmente quatro FPSOs, nomeadamente Girassol, Dália, Pazflor e Clov. A proeza e inovação técnicas permitiram-nos obter dois prémios da Conferência de Tecnologia Petrolífera (OTC), em 2003 e 2013. O Bloco 32 (1999) preparar-se para entrar em produção no offshore ultra profundo, com duas unidades: Kaombo Norte e Kaombo Sul.  ,A 1ª petrolífera do país está agora a trabalhar para atingirmos a última fronteira da exploração petrolífera: o pré sal.

OS NOSSOS PARCEIROS

O Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos, abreviadamente designado MIREMPET, é o órgão da Administração Central do Estado que tutela o sector dos Petróleos sendo o responsável pela execução da política nacional e pela coordenação, supervisão e controlo de toda a actividade petrolífera.

A ANPG — Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis  — é a concessionária exclusiva para a pesquisa de hidrocarbonetos líquidos ou gasosos, de subsolo angolano como da placa continental.

A Sonangol — Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola, E.P. — é responsável pela exploração, produção, fabricação, transporte e comercialização de hidrocarbonetos em Angola.

Descubra

 

O NOSSO COMPROMISSO

Total

Tornarmo-nos na principal empresa de energia responsável

A Total coloca a Responsabilidade Social Empresarial no cerne das suas actividades e orienta as suas operações de acordo com princípios chave.

VER TAMBÉM