Utilizamos cookies para personalizar conteúdo, analisar o nosso tráfego e recursos de redes sociais. Também partilhamos as informações sobre o seu uso no nosso site com os nossos parceiros de redes sociais e de dados analíticos que podem combiná-las com outras informações que lhes fornecer ou que sejam recolhidas através do uso que faz dos seus serviços.
Aceitar tudo
Personalizar
Please check an answer for every question.
We use cookies to personalise content, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use on our site with our socal media and analytics partners who may combine it with other information that you've provided to them or that they've collected from your use of their services.

CLOV, O ACTIVO QUE CONSOLIDA A NOSSA LIDERANÇA

Inovador e eficiente, o FPSO Clov deve o seu nome aos quatros campos que produz, nomeadamente Cravo, Lírio, Orquídea e Violeta. Para o Grupo, completa o potencial de produção do nosso Bloco de Ouro, consolidando a nossa liderança.  

Em nome da eficiência

Começou com a entrada em produção antes do previsto e dentro do orçamentado. O quarto navio de produção, armazenamento e carregamento de petróleo e gás natural do Grupo Total, no offshore do Bloco 17, em Angola começou a produzir em Junho de 2014 e apresenta três grandes inovações: um sistema de velocidade variável para produzir a energia necessária, tornando-se no segundo FPSO completamente eléctrico; bombas multifásicas submarinas helico-axiais para melhorar a taxa de recuperação de óleo; e um tanque no casco para a separação entre óleo e água, e para minimizar a deposição de naftenatos; todas contribuem para a eficiência da unidade. 

160.000 barris diários

O FPSO Clov encontra-se a 140 km a noroeste de Luanda, a uma profundidade máxima de 1.400 metros no offshore, numa área de desenvolvimento total de 381 km2. Com uma capacidade de processamento de 160 mil barris de petróleo por dia, o quarto FPSO do Grupo Total em Angola pode armazenar até 1,78 milhões de barris de petróleo numa estrutura com 305 metros de comprimento e 61 metros de largura e uma capacidade para 140 trabalhadores.

Na história em Angola e no estrangeiro

Foi a primeira embarcação do seu género a ser parcialmente construída em Angola, no município de Porto Amboim, na província do Cuanza Sul, que é actualmente uma das regiões mais activas da indústria petrolífera angolana, com dois estaleiros e foi aí onde se construiu e montou o módulo de tratamento de água, em 2013. Em 2015, o projecto Clov ganhou o prémio Excellence in Project Integration na Conferência de Tecnologia Petrolífera em Doha (Qatar).

 

Um modelo na transferência de conhecimentos

Além do módulo de tratamento de água, o projecto Clov teve uma enorme intervenção de força de trabalho angolana demonstrando que os conhecimentos estão a ser cabalmente transferidos para os angolanos com nove milhões de horas de trabalho realizadas. Algumas das Christmas trees fabricadas na Escócia foram montadas em Luanda. Sete dos oito separadores foram inteiramente fabricados no estaleiro da Sonamet no Lobito (Benguela), em Angola. Todos os cabos submarinos, três risers e uma parte da bóia de descarga também foram fabricados localmente. Não é a nossa maior unidade de produção no Bloco 17, mas contribuiu em grande medida para a nossa busca por uma melhor energia a nível local.

OS NOSSOS PROJECTOS